Baka Fórum
Light Novel Log Horizon - Versão para Impressão

+- Baka Fórum (http://bakaforum.info)
+-- Fórum: Baka Fórum (http://bakaforum.info/forumdisplay.php?fid=1)
+--- Fórum: Mangás, Light novels & Visual novels (http://bakaforum.info/forumdisplay.php?fid=8)
+--- Tópico: Light Novel Log Horizon (/showthread.php?tid=764)



Log Horizon - AcoyKujo - 15/07/2016

[Imagem: 2YELTFm.jpg]
Ficha Técnica

Título: Log Horizon
Título alternativo:  ログ・ホライズン
Autores: Mamare Touno, Kazuhiro Hara
Gênero: Ação, Fantasia
Faixa Etária: 16+
Editora: Enterbrain (Japão), NewPOP (Brasil)
Volumes: 10 (Em Publicação)
Maiores informações: Wikipedia (EN) | LNDB

Sinopse:
Citar:
Em seu décimo primeiro pacote de expansão, o massively multiplayer online role-playing game (MMORPG) Elder Tale tornou-se um sucesso mundial, sendo jogado por milhares de jogadores. No entanto, durante o lançamento do décimo segundo pacote de expansão, "Desbravamento da Noosfera", trinta mil jogadores japoneses, que estavam logados na mesma hora da atualização, viram-se teletransportados para dentro do mundo do jogo, com a mesma aparência dos personagens deles do jogo e características da vida real. Diante de tais eventos, um jogador chamado Shiroe, juntamente com seus amigos Naotsugu e Akatsuki, decidem formar um time, assim eles lidarão com esse mundo a fim retornarem à realidade, enfrentando diversos desafios neste percurso.



RE: Log Horizon - AcoyKujo - 19/07/2016

Prólogo

Bom, na época do Anime Friends do ano passado a NewPOP estava lançando No Game No Life e o @Esteves criou o tópico sobre a série para comentar a edição brazuca, logo após o Fodendo Encontro do Baka. Inspirado neste tópico eu resolvi criar um de Log Horizon, que sinceramente não sei se alguém aqui do Baka curte, mas já posso afirmar com todas as letras que eu virei um fã graças ao lançamento aqui no Brasil.

Voltando ao que eu estava comentando sobre o ano passado, confesso que até então eu nem sabia da existência de NGNL, muito menos que a NewPOP lançava light novels. Na real eu nunca havia lido light novel alguma (meu negócio é mangá), então despertou meu interesse mas só fui pegar algo pra ler mesmo quando lançaram Fate/Zero, conforme comentei neste tópico. Relevando alguns erros de revisão da NewPOP (comentarei mais logo abaixo) e as descrições um pouco pobres, curti muito o primeiro volume de Fate e estou realmente ansioso para o lançamento do segundo, no fim deste mês/começo do próximo. Foi a primeira LN que li, e foi uma baita experiência bacana.

Com o Anime Friends deste ano, eu e o @Best passamos no estande da NewPOP. Fui procurar o segundo volume de Fate, que infelizmente não ficou pronto, mas me deparei com o primeiro volume de Log Horizon, que é o grande lançamento da editora para essa edição do AF. Do ano passado com NGNL até aqui eles lançaram outras LNs, como No.6 e K - Side: Blue, mas ambas não chamaram minha atenção (muito menos as novels de Gravitation e Madoka). Quando o Best disse que "falam que Log Horizon é Sword Art Online feito da maneira certa" eu entrei no hype. Ele comprou, e eu acabei comprando também.

Eu não curto SAO. Tentei ver o anime na época (por conta do hype da galera), achei um saco. E pra piorar, essa bosta ofuscou JoJo. A temática é boa (Log Horizon comprova isso), mas acho a abordagem bem fraca. E aí entra tudo que eu curti nessa novel de LH.

Volume 1

Caras, que leitura gostosa. No meu post sobre Fate/Zero eu reclamei que o autor não descreve cenários, aparência dos personagens nem nada, e que a novel é MUITO POBRE de ilustrações. Talvez pelo tamanho (ela é bem menor que a de LH por exemplo) não fosse possível ter muitas ilustras, ou simplesmente não sei, mas só tem 3 ilustras e são bem qualquer coisa. O Best viu e pode confirmar. Claro que ter ilustrações ou não nunca seria demérito algum, mas faz parte do charme pra você se aprofundar um pouco mais na história. E além dessa novel de Log Horizon ter um texto MUITO bom (bem detalhado, bem escrito, bem traduzido), as ilustras são lindíssimas e todas de cenas muito boas da história, entrando logo após tais cenas ocorrerem. É lindo de verdade.

A NewPOP caprichou na edição. Acho que a única queixa que eu teria a fazer é que na edição japonesa a leitura é oriental, enquanto aqui é ocidental. Isso fez com que a quarta capa e a capa principal sofressem uma redução. Na japonesa elas se complementam, aqui perde um pouco do detalhe da capa do Shiroe. Mas assim, não é nada alarmante. É questão de centímetros. Eu que estou sendo chato ao reparar nisso. Mas de resto, tudo perfeito: pôster como no original (logo na primeira página, de uma das cenas mais bonitas da novel), papel de excelente qualidade, acabamento gráfico impecável em todos os sentidos. As ilustrações todas em boa qualidade, nada de imagem pixelizada (acreditem ou não, já vi isso em livro), e além dessas ilustras de cenas o livro também tem fichas de personagens estilo RPG (com uma imagem, três itens, status e coisas do tipo). É lindo.

Como eu citei anteriormente, o texto é ótimo. O autor consegue prender QUALQUER UM que já tenha qualquer afeto com MMORPGs. Se você sempre foi um jogador do gênero, se você tem algum jogo que fez parte da sua vida por muito tempo (como eu tenho com Priston Tale, por exemplo) é impossível não curtir a riqueza de detalhes que o autor apresenta. Nesse jogo (Elder Tale) existem diversas classes (diversas bem parecidas com WoW, tipo o Monge), subclasses e raças, e ele trabalha tudo isso com louvor. Você sente de verdade que o autor deve ter pensado muito em cada detalhe antes de começar a escrever, criando tudo sobre cada classe para ter todas as informações estabelecidas. É tudo muito bom.

Uma coisa que eu não curto muito em SAO é o foco na ação. O personagem é um guerreiro, e fica muito fácil você contar uma história assim. Pombas, olha quantos animes/mangás/qualquermerda que tem protagonistas lutadores, que almejam sempre "se tornar o mais forte" ou qualquer merda do tipo. E até nisso LH é superior, já que o foco com toda certeza é no Shiroe, que jogava com a classe menos popular de Elder Tale: o Enchanter. Quando eu li isso, pensei: "ok, ele provavelmente é um mago e tal". Mas não, o cara é só um suporte mesmo. É o cara dos debuffs que nos jogos sempre que entra na fila de uma dungeon, é chamado rapidinho porque ninguém joga com eles. E isso é brilhante, já que ele complementa os outros personagens, Naotsugu e Akatsuki, que servem como tanker (Guardian) e DPS (Assassin), respectivamente. E a relação dos três personagens é excelente, cheia de brincadeiras e momentos memoráveis.

Algo que de início eu estranhei é que os três protagonistas já estão no level máximo (90), porém isso passou rápido visto que o autor sabe trabalhar muito bem as dificuldades de viver num jogo e que a nova expansão fez com que o cap aumentasse para 100. Uma coisa é você jogar com um personagem nível 90 e matar rapidinho um Lobo de Batalha de nível 40, onde você só precisa clicar vinte vezes. Outra é você estar de frente para um Goblin real, pulando pra cima de você com um machado, e mesmo sabendo que não morrerá com os ataques dele, tentar manter a calma. E quando eu notei que o autor se preocupava com esse tipo de coisa, eu já estava completamente fascinado.

O autor utiliza capítulos inteiros explicando tudo o que aconteceu quando o mundo do jogo passou a ser realidade. O que aconteceria com os NPCs? Ele explica. E coisas tipo "não poder batalhar dentro da cidade?" Ele explica também. Como funciona as diferenças de batalha entre monstros irracionais e PKs? Tá ali também. Até a parte de alimentação e necessidades básicas ele detalha de forma perfeita. Conforme eu lia, eu só conseguia pensar "Meu Deus, seria exatamente assim". Li uns reviews gringos que diziam que "Log Horizon é Sword Art Online sem ser massaveio, focando mais no lado político", e concordo 100%. As possíveis intrigas entre guildas, os ganchos com relação a assuntos bem tensos (tipo jogadores poderem comprar mapas e cidades), como jogadores tóxicos agiriam se passassem a viver num jogo, tudo isso faz parte dessa discussão mais 'inteligente' que LH apresenta. E a cada página eu ficava mais e mais maravilhado.

A ação também é ótima. Inclusive, o livro abre com uma sequência de ação que se encaixa no capítulo três, e é muito boa. Durante a história temos outras cenas maravilhosamente escritas, onde mais uma vez o autor se preocupa em explorar todas essas ideias de "mundo real no mundo do jogo", ponto por ponto. E as personalidades contrastantes dos protagonistas colabora muito para alguns desses detalhes que o autor explora, visto que o Shiroe é o cara mais inteligente e racional, a Akatsuki é a mais "porradeira" e o Naotsugu é o mais "coração bondoso". O autor usa a personalidade dos três (e dos personagens de apoio, como a galera da Guilda amiga) para tornar o universo ainda mais rico.

O que eu havia dito que comentaria sobre os erros da NewPOP, mais uma vez tem a ver com o calcanhar de aquiles da editora: a revisão. Não é nada grotesco, mas poxa, daria pra evitar escrever "mandato" ao invés de "mandado" ou "quanto" ao invés de "quando". São coisas simples. Pra ser sincero, de coração mesmo, eu faria esse trampo de graça, é só me dar a novel  Icon_rolleyes

Mas esses errinhos (que não foram muitos, não. Em Fate/Zero eu achei mais, nesse até que tava bem revisado) não tiraram toda a fascinação que eu tive. Os capítulos passaram tão rápidos que quando notei eu já havia acabado o primeiro volume. Isso porque eu demorei pra ler, pois se eu estivesse em SP essas 300 páginas teriam durado um dia...

Quero de verdade o segundo volume, tipo JÁ. Quero muito alcançar logo o Japão, e ter essa coleção completinha na estante, paralelo com os japas. E torcendo sempre para que o autor pague os impostos que ele tava sonegando, e não seja preso  Sorry Ou se for preso, que pelo menos leve um papel e caneta.

Eu não gostaria de dar nota (pois com certeza será 10/10), mas peço que todo mundo leia. E quem aqui já tenha lido, que comente o que acha. A única certeza que eu tenho é que é IMPOSSÍVEL que o anime tenha detalhes que a novel tem. Eu não assisti, mas acho improvável de verdade. Então quem assistiu também deveria ler, pois tenho certeza que a experiência será outra.

Enfim, escrevi pra caralho e sei que ninguém vai ler porque acho que ninguém se interessa muito por LH, mas eu precisava deixar claro meu amor por essa porra. Tô apaixonado como há muito tempo não acontecia com alguma coisa japa. Acho que o caso mais recente foi com Genshiken, que entrou para o meu Top de mangás favoritos, mas mesmo assim foi um hype menor do que eu estou com Log Horizon.


RE: Log Horizon - J.C. - 19/07/2016

querido amigo acoy, engana-se redondamente ao achar que ninguem aqui do forum curte log horizon. quando ví o anime, eu achei exatamente o que o vini disse: Log Horizon é Sword Art Online feito da maneira certa. amei o anime pelo mesmo que vc citou no texto acima, que alias eu lí sim! o cara soube adaptar um MMORPG divinamente, com toda a mecanica de classes, npcs, mobs, lore, eventos, guildas, enfim tudo de forma explendida ainda no anime, imagina na novel! obviu, os personagens tbm são 10/10 Piscada

quando eu ví falarem que a newpop ia publicar eu automaticamente coloquei na minha "lista de desejos", mas na época tava uma notice que por conta desse evento que vcs foram, os serviços online iam ficar meio que indisponiveis por um tempo daí fiquei meio receioso de fazer pre-order  Icon_rolleyes

masenfim, comprarei e lerei o mais rápido possível pois além de ter curtido a série estou curioso com 2 coisas: a 1°, obvil, é 'o que vem depois do anime'. a 2° é saber se o unico "defeito" que eu ví no anime é proveniente do anime em sí(falha na adaptação e tal) ou se é coisa da novel mesmo.




(btw, tbm n curtí muito sao. apesar dos vários e vários "defeitos"[como o maldito teletransporte que até agora ngm soube me explicar como funciona e o fato de só existirem guerreiros nessapoha] achei bacaninha toda a ideia no inicio, mas apartir do momento em que eles foram pro joguinho dos elfos... foi só ladeira abaixo... pronto, desabafei :p)


RE: Log Horizon - Esteves - 19/07/2016

Eu provavelmente vou esperar pra comprar quando juntar mais coisa tipo Fate 2 e o próximo de NGNL. Ainda não encontrei nenhuma LN da NewPop pra vender em loja física sem ser no AF e ai só me resta o site. O problema é a NewPop não ter assinatura igual da JBC. Tem algumas vantagens de se ter assinatura mas eu diria que o principal no caso da JBC é eles não cobrarem o frete. Como eu falei pro @Droko uma vez, pagar 15 reais por um bom serviço não deveria ser problema. O problema é pagar 20 reais todo o mês com frete sempre que lança um volume novo de alguma das coisas que estou acompanhando sendo que eu não sei o que a NewPop faz mas nunca chega certo as entregas deles. O bagulho que eu comprei na PREVENDA chegou primeiro pro @migliole que comprou 2 semanas antes do que pra mim que comprei com 3 meses antes.

Com isso acabei decidindo acumular várias LNs pra comprar tudo de uma vez. Confesso que não estava muito animado pra LH mas o post do @AcoyKujo aumentou minha vontade de ler. Olha, WoW ta na 6ª expansão né, não é tão improvável assim pensarmos que na 13ª já teremos tecnologia de imersão e poderemos entrar no jogo tipo LH  Lingua


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 19/07/2016

(19/07/2016, 06:23)J.C. Escreveu: masenfim, comprarei e lerei o mais rápido possível pois além de ter curtido a série estou curioso com 2 coisas: a 1°, obvil, é 'o que vem depois do anime'. a 2° é saber se o unico "defeito" que eu ví no anime é proveniente do anime em sí(falha na adaptação e tal) ou se é coisa da novel mesmo.

Até onde eu li, as duas temporadas do anime adaptaram os 10 volumes publicados até agora + um spin off em mangá. Não sei se a informação procede, mas me disseram que cada episódio adaptou um capítulo da novel, então no caso esse primeiro volume rendeu 5 episódios, e assim por diante.

Mas agora fiquei curioso pra saber o que é esse defeito  Confused3

(19/07/2016, 13:48)Esteves Escreveu: Eu provavelmente vou esperar pra comprar quando juntar mais coisa tipo Fate 2 e o próximo de NGNL. Ainda não encontrei nenhuma LN da NewPop pra vender em loja física sem ser no AF e ai só me resta o site.

Em loja física, eu achei Fate/Zero volume 1 na Livraria Cultura.

O Junior disse no Anime Friends que a NewPOP acabou de fechar com a FNAC e outras livrarias para eles venderem seus produtos. Inclusive na própria FNAC (onde rolam os melhores descontos pra mangá~quadrinhos) o volume 1 de Fate está 19,90. O segundo ainda está em pré-venda no site da NewPOP, também por 19,90 (+ frete), então assim que for lançado deve aparecer nas lojas.

Com essa mudança na distribuição deles é capaz que apareçam os produtos em TODAS as livrarias do Brasil. Sair das bancas foi uma decisão muito arriscada, mas parece que deu certo já que eles reportaram maior número de vendas no primeiro semestre de 2016.

E já fecharam contrato para os volumes 7 e 8 de NGNL, o único problema é as novels terem virado trimestrais  Rant


RE: Log Horizon - J.C. - 19/07/2016

poisé, eu pus defeito entre aspas por ser mais algo que me incomodou do q um defeito em sí mas enfim:

"O q eu não curtí foi o momento "AI MEU DEUS TÔ PRESO DENTRO DE UM JOGO". tipo, cmon, cadê o desespero, o chôro, os gritos... CADÊ A EMOÇÃO DESAPOHA?! e tipo, 90% do anime, ngm ligava em tentar voltar ou sequer em como eles tinham chegado lá... issu foi muito sem sentido..."

nota: texto tirado da "analise" que fiz quando assisti o anime.


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 20/07/2016

Ah, isso rola na novel também. MAS, não sei se é abordado no anime, algumas pessoas ficam sim em choque. Quando o Shiroe chega nesse mundo, ele diz que as pessoas em volta dele estavam todas desesperadas e tal, que ele tava desnorteado, todos esperando alguns dias antes de sequer sair para andar pois estavam achando que era alguma brincadeira de mau gosto/sonho.

Só que passado um tempo ele próprio (e os personagens à volta dele) param de ligar pra isso. Realmente não tem uma "busca por quem ou o que nos enviou para o mundo do jogo", é mais "ok estamos num mundo de jogo, vamos tentar sobreviver".


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 02/10/2016

Opa olha só, o volume 2 já tá vindo aí!

[Imagem: i7Py6No.jpg]

Em pré-venda na Comix:
http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=27348

Empolgadíssimo!


RE: Log Horizon - Best - 02/10/2016

Porra, nem li o volume 1 ainda, espero que demore ainda uns 3 meses


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 10/02/2017

[Imagem: xLu3icm.jpg]

Volume 2: Cavaleiros de Camelot

Simplesmente fantástico. O nome tem um significado incrível. Enquanto no primeiro volume o autor estava preocupado em estabelecer as regras básicas desse mundo e introduzir os personagens principais, aqui me pareceu que ele quis simplesmente expandir tudo que foi citado no volume anterior, e desenvolver todos seus protagonistas. Comentarei esse volume por capítulos:

Capítulo Um: Após resgatarem a Serara (no final do volume anterior), Nyanta, Shiroe, Naotsugu e Akatsuki voltaram à Akiba. Foi legal acompanhar um pouco da jornada da volta, e aqui neste capítulo o autor introduziu o conceito que moveu todo este volume, e revolucionou a história da Light Novel inteira: jogadores que possuem a subclasse de produção "cozinheiros" podem fazer comidas com sabor (ao invés do gosto úmido de biscoitos molhados das comidas normais deste mundo), contanto que façam usando seus próprios conhecimentos e com ingredientes frescos caçados/colhidos, sem usar o menu de produção. Esse conceito foi explorado ao extremo nos capítulos seguintes, mas descobrir isso foi um choque. Achei incrível a ideia, e como o autor guardou essa carta na manga para mover todo este volume. Além disso, neste retorno à Akiba o autor também jogou sementes do que pode ser uma trama envolvendo os NPC's, o chamado "Povo da Terra", explicando um pouco mais sobre eles. E no final, também foram apresentados os gêmeos Touya e Minori, dois jogadores novatos com quem Shiroe passou uma semana ajudando quando o jogo ainda era só um jogo, e de cara é impossível não simpatizar com ambos os personagens. Crianças, tentando sobreviver nesse mundo.

Capítulo Dois: Aqui o plano central do Shiroe começou a tomar forma. A Minori descreveu mais sobre a vida dela com o irmão no mundo real, e descobrimos que o Touya é um garoto aleijado no mundo real, e eles são gêmeos sendo ela mais velha por alguns segundos de diferença. Foi bacana ver o aprofundamento no drama dos dois, mantidos em cativeiro pela guilda Hamelin, e achei bem interessante como o plot deles foi desenvolvido. Aqui também o Shiroe tem a ideia de criar uma guilda, revoltado com a situação deprimente da cidade de Akiba, e com os três amigos ele cria a Log Horizon. Isso foi muito foda, ao mesmo tempo em que ele pediu ajuda da Aliança da Lua Crescente para salvar a cidade. Até então o plano dele era totalmente inexplicado, mas toda essa ideia de criar uma guilda para ajudar Akiba foi foda demais.

Capítulo Três: Aqui o negócio ficou sério, e não consegui parar de ler. Aquele detalhe que o autor introduziu lá no começo, sobre cozinheiros poderem fazer comidas com sabor, voltou a ser utilizado quando o plano do Shiroe começou a ser botado em prática. A criação da lanchonete Crescent Moon é algo tão simples, uma ideia tão boba, que quando você analisa ela aplicada nesse universo, parece algo revolucionário pra caramba. Vender comida para toda a população de Akiba com o objetivo de juntar dinheiro e botar em prática o plano do Shiroe é algo que beira o genial, de verdade. Eu jamais teria pensado nisso. De quebra, aqui o autor começou a explorar mais as guildas, introduzindo as três principais guildas de produção de Akiba, e como o Shiroe (junto da Marielle e da Henrietta) convenceu as três a ajudar ele, tanto entregando itens de produção quanto com financiamento em dinheiro. O cara realmente é muito estrategista, pra mim a melhor qualidade dele como protagonista. Já é um dos meus heróis.

Capítulo Quatro: Aqui esse desenvolvimento sobre as guildas explodiu. Foi FANTÁSTICO ver a convocação das doze mais influentes guildas de Akiba, e todo o plano do Shiroe sendo botado em prática finalmente. A criação da lanchonete melhorou a convivência das pessoas na cidade, e a mesa redonda com as guildas propondo um plano de salvar toda Akiba foi o momento de ouro dessa edição. A narração do Shiroe tentando manipular todos os líderes a formarem uma aliança foi algo muito convincente e bem escrito. Ao mesmo tempo, o que foi feito nos capítulos anteriores começou a tomar forma: Shiroe comprou a área de Guildas, podendo chantagear a todos e botar em prática o plano de salvar o Touya e a Minori (coisa que acontece aqui também, em paralelo com a mesa redonda de guildas). A forma como ele manipulou todo mundo para que pensem da mesma forma e entrassem num acordo (com exceção de uma das guildas que saiu da discussão) foi algo sensacional. Ver o Shiroe discursando e explicando detalhadamente cada passo do plano dele foi impagável.

Capítulo Cinco: Então, aqui finalmente remetemos ao nome deste volume, já que criaram o Conselho da Távola Redonda, formado pelas onze guildas influentes. Foi incrível ver como o autor narrou toda essa jornada, que começou com uma simples fogueira no meio da floresta, voltando do resgate da Serara, e culminou na cidade de Akiba INTEIRINHA sendo beneficiada com os planos do Shiroe e a união das guildas, além da explicação que os produtores podem criar o que quiserem contanto que não usem o menu do jogo. Essa ideia realmente é revolucionária pra caramba, e deu pra sentir a melhora do estado de espírito da cidade. Além disso, o resgate dos novatos que estavam confinados e sendo abusados pela guilda Hamelin teve sucesso no meio dessa narrativa da criação do Conselho, e de quebra tivemos a expansão da Aliança da Lua Crescente, e o Touya com a Minori pedindo para fazer parte da Log Horizon, que agora tem seu próprio prédio barato com uma árvore gigante no meio (sim, nesse capítulo temos a explicação para o nome do volume e também a explicação a respeito da ilustração da capa e quarta capa). O discurso do Conselho em praça pública, somado à aceitação do povo de Akiba, foi muito gostoso de se ver.

Esse volume não teve ação nenhuma. Não teve lutinhas, nada do tipo. Foi totalmente focado no desenvolvimento do universo, na expansão dos conceitos e exploração de ideais. Senti que a narrativa foi para um rumo que me agrada ainda mais, que é a estratégia, e gosto de ser surpreendido quando leio algo, coisa que este volume fez muito bem, diversas vezes. Todos os personagens que foram introduzidos neste volume (não foram poucos) são incríveis, especialmente alguns líderes de guilda (que contam com um posfácio focado neles, explicando um pouco sobre cada um, que também foi algo muito legal). As ilustrações seguem ótimas, tão boas quanto as do primeiro volume, apesar de mais uma vez a revisão da NewPOP falhar e deixar passar alguns errinhos. Mas de novo, dá pra ler numa boa e compreender tudo sem problema algum, só é chato ler uma letra ou outra sendo comida no meio de um parágrafo ou outro.

Me deixou mega empolgado para o terceiro volume. Desce o primeiro eu queria ver como seria esse negócio de "comprar áreas", e aqui o autor já apresentou uma das possibilidades sendo usada de forma genial. Estou de verdade bem curioso com o que vem pela frente. Um foco nos NPCs? Mais foco nas Guildas de exploração ou de produção? Aventuras de desbravamento do mapa desse universo? Algo envolvendo os Fairy Rings?
Contanto que mantenha o nível excelente desses dois primeiros volumes, pode vir o que for que tô aqui acompanhando religiosamente.


RE: Log Horizon - Best - 19/02/2017

Log Horizon 1: O início de um outro mundo

Ok finalmente tirei um tempo pra terminar de ler Log1, que faltava 10 páginas para acabar há mais de três meses. hue

Prefiro começar comentando sobre a edição nacional, falar do trabalho da NewPOP:

Enquanto o acabamento está bacana, as ilustrações estão bem impressas, e o poster/ilustração colorida está simplesmente insano de tão bonito, o miolo não é lá essas coisas. Não manjo de papel e o caralho a quatro igual o Acoy, então nem sei que diabos é, mas o papel não é ruim, só acho que, pra uma novel, poderia ter um papel melhor.

Agora algo que eu questiono bastante é a escolha dos termos e métodos de tradução. Comento sobre o 'bruto' mais tarde, pois oq eu queria dar destaque agora é a massante quantidade de termos em inglês no texto. Eu simplesmente não entendi qual foi o objetivo deles em manter tudo em inglês. "Enchanter", "Assassin", "Guardian", "Wall of Stone" etc etc etc... Não existem nem a desculpa de dizer que "o jogo está em inglês" pois eles explicam que o jogo é internacional com diversos servidores e idiomas diferentes. E pra piorar as coisas, eles ainda aumentam muito a quantidade de texto por frase, pois colocam a fodendo tradução logo depois.
Precisaria conhecer o original antes de falar, né, pois pode ser que o nome venha em inglês mesmo e o autor coloque a tradução para japonês logo em seguida. Se esse for o caso, então é uma reclamação que eu deveria dirigir à obra, e não à NewPOP.

Sobre o texto corrido, eu encontrei alguns errinhos de digitação e de concordância, coisa que uma revisão mais atenta poderia resolver facilmente, mas o Júnior já disse que esse é um dos principais focos da editora atualmente, então vou confiar pro futuro.
Já outras frases soaram um pouco confusas e com uma tradução "de máquina", digamos. É o tipo de frase que você lê e percebe na hora como estava no original e fica "putz". Eu passo muito por isso quando vejo anime/série com legenda em ptbr (nos raros casos que isso ainda acontece), pois como é tudo traduzido do inglês, que é um idioma que eu conheço, fica bem mais fácil de reconhecer traduções "palavra a palavra". É tipo um "O que a foda" da vida, sacam?
Mas no geral, o texto me agradou. Tive um pouco de desconforto, mas foi muito mais por causa da minha falta de hábitos de leitura em português do que qualquer coisa. Tudo aquilo na novel são coisas do "gênero textual japonês" que eu já estou acostumado a lidar em inglês ("It can't be helped" etc), mas que ainda soam muito esquisito em português, pois não faz parte do meu dia-a-dia, e ficam simplesmente 'deslocados'. Eu reclamava muito disso na época que a gente fazia fansub, mas né não to afim de digitar isso agr -q se quiserem discutir isso me chamem depois.


Agora sim, falando sobre o conteúdo da novel:

Eu não tinha assistido o anime de Log Horizon, e apesar de ser até que bem conhecido, meu conhecimento sobre a trama não passava da sinopse de que esse grupinho ficou preso num jogo online e só. Tomei tipo um ou dois spoilers da segunda temporada do anime, mas nada que eu consiga tirar disso.

Então, ler a novel foi uma experiência completamente nova. Como vocês sabem, sou um cara muito inseguro, que teme o novo acima de qualquer coisa. Tanto que, se vocês olharem a minha coleção de mangás/novels/livros, mais de 80% deles são de coisas que eu já conhecia antes de comprar, seja por já ter lido, ou já ter acompanhado uma adaptação, ou por conhecer uma obra que trata da mesma coisa. Mas mesmo assim, devo dizer que adorei o que li.

Algo que eu já comentei brevemente enquanto escrevia sobre Netoge-nome-grande, que é aquela história de o autor conhecer bem o que está escrevendo, e que você identificando o tema e tendo uma familiaridade boa o suficiente, consegue pegar tudo que ele quis passar... É algo que chega ao ápice com Log Horizon. Tudo que sei sobre o autor é que ele sonega impostos, então só posso supor, mas suponho que ele, com certeza, passou ANOS nesse buraco dos MMOs, assim como eu também passei. O nível de conhecimento dele sobre mecânicas de jogos do gênero e como elas poderiam ser traspassadas para o "mundo real" é enorme.
É uma diferença absurda para, por exemplo, Sword Art Online (não vou nem entrar na comparação direita, apenas na história do 'sistema do jogo'). O autor de SAO claramente não faz ideia do que está fazendo, o sistema de SAO é simplesmente imbecil e sem lógica alguma. Num mundo real, ninguém aguentaria mais de 20s nessa porcaria de jogo, pois nada faz sentido lá. Já o combate em Log Horizon é uma ótima passagem de mecânicas online para 'irl'.

Também achei muito mais natural a reação das pessoas de "wtf tô preso num jogo online mas que porra". Pessoas diferentes reagem de maneiras diferentes, e em Log, tivemos claras as reações mais "comuns" de se acontecer. E o mais legal é que o Shiroe funciona ali como um "leitor", pois com seu intelecto superior™ ele consegue enxergar tudo "de fora da caixa", e dá uma perspectiva interessante do mundo. Todo aquele papo sobre "estamos num mundo onde não há lei" que ele traz lá pela metade do livro é genial.

Falando nos personagens, eu gostei muito de todo mundo. Cada personagem é especial de um jeito diferente, e não teve ninguém que eu encarei e pensei "caralho que cara chato da porra". Gostei especialmente do Shiroe e do Nyanta.
Acho que o mais próximo de "me irritar" que aconteceu foi o Natsugao e sua fascinação por calcinhas. Claro, isso é algo até que "comum" na "literatura japonesa", mas não é algo que me agrade. E pra agregar nesse desdém, veio a diferença 'cultural', digamos. A história de eu não estar acostumado a ver/ler aquilo em português. Como falante nativo e cidadão de um país que tem como idioma oficial o Português, eu tenho perfeita noção de que NÃO É NEM UM POUCO COMUM vc ter conversas com esse tipo de linguagem. Talvez algumas pessoas façam, admito, mas em todos os círculos sociais que eu cheguei a presenciar, isso é totalmente fora do normal.
Mas enfim.

Adorei Log, foi uma experiência super divertida pois me trás uma nostalgia enorme, e ainda trabalha com personagens e um enredo interessante. Estou louco pra ver alguém comprando uma cidade inteira e causando caos generalizado.

Já estou com o volume 2 em mãos, mas deve demorar um pouco para eu conseguir ler. Se mantiver o mesmo nível do primeiro, já sei que vou amar.

Comprem Log, que além de estarem incentivando a indústria de Light Novels no Brasil (que como pudemos ver pelo último NewPOP day, não está vivendo o seu melhor período), você vai estar adquirindo uma baita duma obra, digasse de passaji.



RE: Log Horizon - Best - 03/03/2017

Log Horizon 2: Cavaleiros de Camelot

Antes de começar, eu já adianto que concordo em gênero, número e grau com o post do Acoy. Volume sensacional, adorei o foco na estratégia e os novos personagens são topperson.

Acho que é um serviço maior eu apenas acrescentar pontos onde eu tenho uma visão maior do que/discordo do Acoy, afinal, de nada serve ficar adicionando mais do mesmo.

O primeiro ponto, que com certeza é o que mais difere a minha visão da do Acoy, com certeza deveria ser sobre o "elemento surpresa".
Talvez seja por eu ter 'mais experiência' em Light Novels (nem tanta, li poucas obras, mas são uns 15 volumes lidos a mais) do que você, eu simplesmente não tive tanto 'espanto' assim com o plano de ação do Shiroe.
Criar a lanchonete pra gerar influência (já falo disso, inclusive), juntar dinheiro, se reunir com a Aliança da Lua Crescente... Tudo estava BERRANDO o plano dele. A gente sabendo que existe a possibilidade de comprar zonas inteiras... Por que mais o Shiroe ia precisar de 5 milhões de peças de ouro? Ele quer melhorar a cidade, e precisa de dinheiro pra isso? Ele mesmo fala várias vezes durante o volume que "viver nesse mundo após a Catástrofe é algo barato", então não existe motivo para precisar de volumes enormes de dinheiro. São 5k jogadores em Akiba, mesmo que ele fosse, sei lá, DOAR 1k de gold pra cada jogador... Do que isso ia adiantar?

Inclusive, o ponto sobre a lanchonete: A ideia por trás da criação da lanchonete, apesar dela gerar sim um lucro, e também melhorar o clima da cidade, nunca foi de fazer essas coisas. São pontos positivos? Claro que são. Mas não passam de bônus secundários. O que o Shiroe queria com isso era apenas gerar INFLUÊNCIA.
Ele precisava de uma forma de ser ouvido, uma forma de conseguir o dinheiro necessário pro plano funcionar. Mesmo sendo um cara foda e relativamente 'conhecido' entre as pessoas mais importantes do servidor, o Shiroe continua(va) sendo um zé-ruela sem guilda. Nem mesmo com a ajuda da Aliança da Lua Crescente, ele teria influência o suficiente pra conseguir uma reunião com as duas maiores guildas de produção, muito menos conseguir uma 'doação'. Talvez ele conseguisse o apoio do 8º distrito comercial, por conta da amizade e tal, mas eles sozinhos não poderiam bancar o Shiroe.
Coisas que geram atenção: Tudo aquilo que é novo ou surpreendente. A Crescent Moon vender comidas com gosto é uma junção do novo com o surpreendente. Monopolizar essa informação revolucionária já bastou para gerar influências gigantescas.

Inclusive, eu queria acrescentar alguns pontos sobre a temática da "Távola redonda". Não sei se foi proposital por parte do autor, mas muitas das guildas e/ou seus líderes que fazem parte do conselho, tem alguma semelhança ou fazem alguma referência a algum dos "verdadeiros" cavaleiros da távola redonda.
"Os cavaleiros da lâmina negra" se referindo a Lancelot; "Silver Sword" se referindo a Bedivere. Se forçar a barra, dá até pra interpretar a própria Maribelle como sendo uma referência ao Gawain, por ser sempre gentil e comparável a um "girassol" (Gawain tem ligações com o sol e tal), ou o Krusty "Berserker" com o Agravain, por ter uma aparência boa mas ser muito selvagem/malicioso por dentro.
Mas isso talvez seja eu forçando a barra...

Adorei as ilustrações, e o mapa no início é simplesmente genial. Melhor poster ever.

Por fim, sobre os erros de revisão: Ah cara, ainda tem e enche o saco mesmo... Mas diminuiu bastante se compararmos com o volume 1. Espero que no volume 3 eu já possa postar um "carai, n teve rro de revisão valeu junior tu é foda".



RE: Log Horizon - AcoyKujo - 08/04/2017

Acabei não postando a capa do terceiro volume aqui, mas aí está. Outra capa maravilhosamente linda. Deve ser lançado em breve. Não sei quando vou conseguir comprar, mas será prioridade de leitura assim que eu tiver em mãos.

[Imagem: LF1um0F.jpg]


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 09/07/2018

Algumas coisas que acho válido comentar sobre Log Horizon.

Estou lendo o terceiro volume só agora e devo fazer um comentário extenso aqui em breve. O fato é que, por este ser um arco dividido em duas partes, eu estava pensando em ler somente quando tivessem lançado o volume 4, mas já fez um ano desde o lançamento da terceira edição e nada da NewPOP continuar a coleção. Pois é.

Entrei em contato com a NewPOP através do Facebook e eles disseram que a série foi paralisada no Japão por "problemas legais", mas já voltou e agora eles (a NewPOP) estão estudando como encaixá-la no cronograma de lançamentos da editora. Ou seja, darão continuidade. Só deve demorar um pouco mais.

Mas o que eu queria comentar mesmo é que em março deste ano foi lançado no Japão o 11° volume (impresso) da série! Saca só a capa, que animal:

[Imagem: x0gcnjX.jpg]

Não saía nada impresso de Log desde 2015, quando foram lançados o volume 10 e um spin-off. Pela arte da capa do volume 11 dá pra deduzir que a parada tá caótica pra cacete, o que me deixa ainda mais curioso com relação ao andamento da história.


RE: Log Horizon - AcoyKujo - 12/07/2018

[Imagem: 3FWsBae.jpg]

Volume 3: Fim do Jogo (Parte 1)

Detalhe: olhando a capa acima, reparei que as capas nacionais perdem a arte. Fiquei procurando a Serara na capa, e ela não aparecia porque as orelhas da edição da NewPOP são sem arte! Poha.

Mais de um ano sem ler Log. Comprei este volume ano passado ainda, e só fui ler agora. Como sempre, valeu a pena: a série não perdeu nem um pouco a qualidade. Aliás ganhou muitos méritos neste terceiro volume, mesmo terminando num gancho muito bom para o próximo!

Este volume é meio complicado de se dividir em Capítulos como fiz nos comentários anteriores pois muita coisa acontece ao mesmo tempo. A história possui dois núcleos bem estabelecidos, sendo o primeiro, o que envolve a interação de alguns líderes e membros das Guildas do Conselho da Távola Redonda com os famosos NPC, o Povo da Terra.

O que eu mais gostei deste lado da história foi um pouco do aprofundamento da relação dos Aventureiros com o Povo da Terra, lidando com a tensão política, as festas, possíveis relações de afeto e também descobrindo alguns mistérios. Acho que o momento de destaque de todo este setor do volume foi quando apareceu o estudioso ReGan e explicou ao Shiroe e à Akatsuki um pouco sobre as Catástrofes anteriores, as chamadas World Fraction, e quais as possíveis penalidades da morte para os aventureiros. A ideia da World Fraction ter sido feita por uma magia é absurda, e as divisões dos níveis das magias também foi algo bem bacana de se ver. Esse autor consegue explicar absolutamente tudo, é muita inteligência.

Apesar disso tudo (com o highlight sendo esse trecho do Shiroe com ReGan), outras coisas bacanas foram acontecendo. O Crusty roubou a cena sempre que apareceu, alguns NPC se mostraram bem avessos aos Aventureiros, etc. O autor está sabendo muito bem como estabelecer conceitos para um "jogo que virou realidade" até nos mínimos detalhes. Em dado momento ele explica a confecção de roupas íntimas! Muito bom.

Mas o grande destaque, pra mim, foi a exploração e treinamento na Floresta Ragranda. Como eu disse anteriormente, o volume é dividido em dois núcleos: o de interação com NPCs é o primeiro, e o segundo é o "acampamento de verão" da Marielle, Naotsugu e Nyanta, levando os novatos de várias Guildas para treinarem e se divertirem um pouco.

Nesta outra metade do volume, o foco foi dado para os personagens apresentados especialmente no volume anterior: Touya e Minori, bem como Issuzu, Serara e Rundelhous, que foi apresentado neste volume. O foco do grupo foi treinar na masmorra de Ragranda, lutando contra esqueletos para ganhar alguns níveis. E aqui a situação brilhou muito.

Foi incrível ver como o autor inseriu estes personagens "noobs" num ponto onde eles precisam aprender a trabalhar juntos, e evoluindo juntos, aprendem como é trabalhar em equipe numa masmorra. O aprendizado por não conseguir derrotar os monstros facilmente foi sofrido, mas ver como estes personagens foram descobrindo os "combos" que podem fazer com suas magias foi delicioso de acompanhar. Parece mesmo um MMO.

E as cenas de ação foram todas muito boas, também! As lutas do grupo da Minori foram bem escritas, com o tanker agindo na frente, o Sorcerer destruindo com danos altíssimos, a Bard servindo de suporte, as healers ao fundo garantindo HP e tirando debuffs... Tudo muito perfeito. Parece uma formação real de masmorra. Sem Leroy Jenkins, quando atingiram a perfeição.

E o gancho final foi... Sinistro? Imprevisível? Deu certo cagaço? Tipo, do nada, todo o caos que vai acontecendo, com o Shouryu cavalgando em direção à praia... Muito massa. Acabou de forma maravilhosamente promissora.

O ponto fraco deste volume... Erros de revisão, pra variar. Podia ser perfeito (tem um Arquivo de Monstros de Elder Tale no final, quão foda é isso?!), mas os erros bobos de revisão cagam tudo. Em determinado momento do Posfácio do autor, deixaram passar um "saldável". Mas os errinhos bobos (típicos das LNs da NewPOP) passaram aos montes: frases com um "de" faltando, parágrafos repetidos - uma vez só, mas aconteceu -, errinhos de português... Coisas tão bobas, que qualquer pessoa repara enquanto lê, e a revisora deles é completamente incapaz. Ouso até dizer que este foi o volume da série com mais erros até então.

Mas a história e o personagem são tão ótimos, que não afetou minha empolgação com a leitura. Só incomoda a vista.